Abrace realiza tradicional festa de Natal para assistidos e suas famílias

Publicado dia 16/12/2015 às 14h00min

Diversão, carinho e voluntariado. Essa mistura foi a responsável pelo sucesso da tradicional festa de Natal da Abrace, realizada no último sábado (12), no Estádio Mané Garrincha. A celebração contagiou de esperança e alegria os quase 900 convidados, entre crianças assistidas e suas famílias.

A garotada corria de um lado para o outro e se emocionava com as mágicas do tio Ravel. A jovem Suzana, convidada à assistente de palco, tentava entender como ele conseguiu tirar de uma cartola vazia um grande lenço colorido.

Na cabine de fotografias estava Patrícia Emely, 16 anos. A adolescente que há 14 anos aguarda por um doador para transplante, foi diagnosticada com aplasia de medula óssea crônica no primeiro ano de vida. Patrícia conta que participa há mais de dez anos da festa de Natal. “Eu vejo pessoas unidas em prol de uma causa, para ajudar e isso é muito bonito. Só tenho a agradecer. A festa de Natal nos proporciona momentos de felicidade e me faz refletir que, mesmo vivendo com todas as dificuldades, não devo me entristecer e nem abrir mão de momentos como este, pois só tenho uma chance para viver”, conclui.

A solidariedade é a principal força de realização da festa que conseguiu reunir 160 voluntários. É o caso de Fernando Dantas, 28 anos, que estreou na festa de Natal como voluntário. “Essa é a essência do amor ao próximo e isso é o que nos faz crescer. Muitas vezes, a gente fica esperando o melhor momento para atuar, mas o melhor momento é sempre o agora. Hoje, ao chegar na festa de Natal, vi uma criança bastante debilitada, mas quando ela viu os brinquedos e os personagens animados ela deu um sorriso tão sincero, tão bonito. É é a alegria de viver, sabe? E tudo isso faz valer a pena”, solidariza-se.

Para o voluntário, “essa é a essência do amor ao próximo e isso é o que nos faz crescer. A Abrace é uma instituição séria e atende o assistido de forma ampla, por isso eu a escolhi. Ela é construída por várias mãos e eu também gostaria de deixar a minha contribuição. Muitas vezes a gente fica esperando o melhor momento para atuar, mas o melhor momento é sempre o agora. Hoje, ao chegar na festa de Natal, vi uma criança bastante debilitada, mas quando ela viu os brinquedos e os personagens animados ela deu um sorriso tão sincero, tão bonito. Essa é a alegria de viver, sabe? E tudo isso faz valer a pena”, desabafa.