Sonho e realidade: um caminho que a Abrace ajuda a construir

Pedro é assistido da instituição desde os 3 anos e sonhava em ter uma bateria para aprender o instrumento musical. Com a força da solidariedade, a Abrace conseguiu realizar seu desejo
Publicado dia 11/06/2021 às 17h15min

A solidariedade gera uma corrente do bem que impacta vidas. Foi assim com o Pedro Henrique, assistido da Abrace que conseguiu realizar seu sonho e ganhou uma bateria a partir da doação realizada pela Diretora de Assistência Social e Hospitalar da Abrace, Lysia Freire de Alarcão.

Lucas Henrique Neves de Andrade, de 19 anos, é assistido da Abrace desde seus três anos para tratar a histiocitose, doença que produz histiócitos circulantes no sangue. São células responsáveis pela defesa do organismo que impactam em alterações respiratórias, processos inflamatórios, formação de tumores, danos a órgãos em que se acumulam e sintomas diferentes de acordo com o local em que se proliferam.

Morador de Bom Jesus da Lapa, na Bahia, o assistido sempre vem a Brasília realizar o tratamento e se hospeda na Casa de Apoio da Abrace. Durante um dos atendimentos, Lucas revelou que seu sonho era ter uma bateria. O assistido já tem um violão e sempre aprende de forma autodidata os instrumentos, utilizando desse conhecimento artístico para lidar com questões da sua vida.

Sua mãe, Erica, lembra que o sonho do filho é o sonho da família. Já o Lucas, conta que nem acreditou que era verdade quando soube do presente. “Era meu sonho. Minha mãe disse que desde os três anos de idade eu já me interessava por instrumentos musicais. Eu fiquei muito feliz. Essa bateria vai me ajudar muito a crescer musicalmente. E minha família ficou muito feliz também”, acrescenta. Ele começou a aprender na igreja, e agora com o novo instrumento já mostra dedicação e perspectivas de futuro. “Sinto que essa bateria vai me abrir portas, já que quero seguir a carreira musical. Vai me ajudar demais”, explica.

Assistência que vai além

Segundo Lysia, a bateria foi comprada para a neta, que gostava de fazer barulho e precisava gastar energia. Ela destaca o quão gratificante foi realizar a doação. Para Lysia, o ato de doar faz bem a quem doa e a quem recebe. “A melhor coisa que acontece quando fazemos algo por alguém é ver que foi de fato muito boa e atendeu a um desejo e sonho daquela pessoa. Tem impacto nos sentimentos e na sensação de bem-estar por ter feito bem a outrem”, acrescenta.

Maria Angela Marini, presidente da Abrace, lembra que ações como essa impactam positivamente em vários aspectos, seja pela realização de um sonho, para amenizar dores físicas e emocionais do tratamento, gerando alegria, melhora do estado geral de saúde, e dando ainda a oportunidade do assistido prosseguir com estudos musicais, abrindo caminho inclusive para profissionalização na área. “A missão da Abrace estará plenamente cumprida em momentos como esse, quando pudermos ir além da assistência social planejada, para realizar sonhos e felicidades. O nosso coração fica aquecido por alcançarmos o cumprimento da Missão da Abrace”, acrescenta.

A presidente lembra ainda outros exemplos que a Abrace realiza no âmbito de uma assistência direcionada e completa, como a Melhoria de Moradias, que realiza pequenas reformas nas casas de assistidos, garantindo dignidade e qualidade de vida durante o tratamento. “O que a Abrace deseja às crianças e adolescentes assistidos é que tenham qualidade de vida. Em período doloroso de tratamento do câncer e de hemopatias, as realizações com atenção personalizada contribuem para elevar a autoestima desse paciente assistido pela Abrace”, conclui Maria Angela.

Foto: Acervo pessoal

Texto: Mariana Camargo

Acompanhe a Abrace.

Não perca nossos eventos, materiais educativos e informações sobre a luta contra o câncer infantojuvenil. Inscreva-se para receber por e-mail.